Cães / Gatos

A importância de uma boa alimentação para o seu pet

Escrito por: Lucas - Publicado em.: 14.10.2022

A conscientização dos tutores de cães e gatos sobre a necessidade do correto manejo alimentar tem grande importância na vida dos pets, pois a oferta de alimentos inadequados podem acarretar doenças, obesidade e desnutrição desses pequenos animais. No entanto, a dieta para cada animal deve ser conduzida de forma individual, por um nutricionista , sabendo que existem particularidades entre eles, mesmo sendo da mesma espécie ou da mesma raça. Os avanços na nutrição têm mostrado que o manejo nutricional traz maior longevidade aos animais.

A indústria pet food apareceu no século XIX na Inglaterra quando James Spratt notou cães consumindo restos de comidas e então criou biscoitos para cachorro pela necessidade de obter um novo mercado para pets que deu certo e ficou conhecido como os biscoitos de Spratt. Alimentos para cães e gatos nem sempre teve essa importância que tem hoje. No passado não existia alimentos específicos para cada animal, mas essa história evoluiu como todas as outras e veio a se tornar um dos negócios mais promissores deste século com diversidade em alimentos, como rações balanceadas secas e úmidas, alimentos alternativos saudáveis, alguns específicos para tratamento renal entre outros.

A primeira ração lançada no mercado foi a Purina Dog Chow em 1957, já em 1960 foram lançados a ração semi úmida e pré-cozidas. Esses dois tipos de alimento por possuir muita umidade, estragavam muito rápido e por isso resultou no lançamento da ração seca e os principais atrativos para os tutores é a praticidade que eles têm para alimentar seus animais, ganhando força cada dia mais, o que impulsionam o surgimento de novas empresas nesse ramo, para diversificar cada vez mais os alimentos e que estes sejam cada vez mais seguros e saudável a fim de que o animal viva mais.

Como os seres humanos, os animais pet precisam de uma alimentação correta para ter uma vida saudável, assim é com os animais que necessitam de uma dieta balanceada e completa, os nutrientes são extremamente importantes por exemplo as proteínas, os lipídios, vitaminas, carboidratos, os minerais e a água . Os ingredientes funcionais são de grande importância como a adição de prebióticos, fibras especiais, auxiliadores para a saúde articular (condroitina), entre outros que vem contribuindo para que o animal tenha maior longevidade. Desta forma é importante constatar que na dieta de cães e gatos irá depender do estilo de vida e idade do animal para equilibrar a sua nutrição nas suas fases de vida, por exemplo se o animal for atlético e realizar atividades físicas ele necessitará de uma alimentação rica em energia e em nutrientes em geral, já se for castrado e passar a maior parte do dia deitado a sua dieta deve obter baixo teor calórico .

A história evolutiva dos cães mostram que adquiriram algumas características onívoras, enquanto os gatos permanecem carnívoros, desta forma classificam-se esses animais como carnívoros não restritos (cães) e carnívoros restritos (gatos) e por essa razão nunca devem possuir um dieta vegetariana.

Os gatos possuem peculiaridade em relação à alimentação e a sua nutrição exigindo maior atenção no manejo de sua dieta, sendo importante que esta garanta saúde e bem-estar aos pets. Diferente dos cães, os gatos possuem metabolismo específicos e sua exigência nutricional é maior em relação a proteína, aminoácido arginina, vitamina B6 e niacina. Os gatos são animais carnívoros e apesar dos nutrientes estarem presentes nas carnes, com o avanço das indústrias de alimentos pet é permitido o uso de ração na dieta dos felinos domésticos, que respeita um equilíbrio dos nutrientes e possuem uma grande fração de carboidrato. Os gatos não sintetizam o ácido araquidônico que pertencem a família do ômega 6 e o aminoácido taurina, sabendo que esses são importantes na alimentação destes.

Todos os alimentos considerados funcionais desempenham um importante papel no metabolismo dos cães e gatos e por isso é de suma importância que esse animal consuma uma ração com os níveis desejáveis e com boa qualidade de matéria prima para elevar sua qualidade de vida e longevidade.

No mercado é possível classificar as rações em níveis de qualidade diferentes de acordo com o ingrediente utilizado, que pode aumentar ou diminuir o valor do produto no mercado, por exemplo as rações econômicas, premium ou super premium.

As rações secas são as mais utilizadas por tutores por apresentar maior segurança e poder ser armazenada por mais tempo e para isso, é importante manter sempre no saco original e bem vedado ou em pote que não seja transparente e bem vedado. Além disso, a opção por alimentos premium oferece aos pets maior valor nutritivo e maior concentração de nutrientes, reduzindo a quantidade ofertada ao animal e automaticamente reduzindo as fezes. Com as pesquisas já existentes podemos saber que apenas 35% de cães e gatos brasileiros consomem uma alimentação balanceada, sendo que a maior parte desses se alimentam com a mesma alimentação destinados aos humanos, o que pode trazer inúmeros malefícios se esses alimentos não forem balanceados e não tuveram o preparo adequado.

Os alimentos classificados como secos apresentam umidade entre 6 a 10 % e cerca de 90% de matéria seca, os ingredientes que compõem essa dieta são basicamente produtos cárneos, cereais em grãos, produtos lácteos e suplementos vitamínicos e minerais. Nesta formulação 50% corresponde aos carboidratos, pois estes são responsáveis por média de 45% da energia metabolizável, é comum as dietas extrusadas, pois possuem vantagem por ser de baixo custo, fácil manuseio e alta conservação. Os cães e gatos ao longo de suas vidas precisam de diferentes tipos de alimentos de acordo com a fase que estão vivendo.

Cães e gatos na fase de crescimento

Os cães em crescimento estão passando por uma fase de adaptação após o desmame, nesta eles terão uma dieta diferente e uma vida longe da mãe, essa nova realidade vai durar entre os 7 e 12 meses iniciais, vai depender do porte e características da raça. A fase de crescimento é importante, pois nesta fase o animal irá estabilizar o seu peso para o mantê-lo após na fase adulta, sendo que nesta se deve a oferta de dietas específicas, formuladas, na quantidade adequada e equilibrada. Os cães de grande porte têm um crescimento muito rápido e devido a esse fato possuem problemas ósseos, porém com uma dieta adequada e balanceada é possível a minimização dessas enfermidades, para os tutores desses animais ressalta a importância de um nutricionista pet.

Os gatos em crescimento necessitam de maior quantidade de nutrientes que na fase adulta, isso devido a formação de novos tecidos, os níveis de proteína além de ser maior, essa devem também ser de fácil digestão garantindo que sejam liberados todos os aminoácidos essenciais para o seu desenvolvimento. Os felinos apresentam um comportamento alimentar que os diferenciam dos cães principalmente na

fase de crescimento, ao longo do dia ele consome a ração em pequenas quantidades, com uma ingestão frequente, quanto mais esse animal for ativo mais ele irá se alimentar, desta forma deve se disponibilizar o mesmo de livre escolha ao animal.

Cães e gatos adultos.

Os cães adultos precisam apenas de manutenção do seu estado nutricional e lembrando que vários fatores influenciam nessa questão como : se eles está castrado ou não e seu porte e raça também, por isso , deve se adequar a sua dieta de acordo com sua necessidade e a intensidade de atividades físicas que este exerce, sem que sua alimentação ultrapasse os níveis de energia evitando a obesidade. Os animais que estão saudáveis, recomenda-se que a quantidade de alimento que é necessário no dia, seja fracionada em três porções, e que a água seja sempre limpa e fresca devendo ofertar esta a vontade pois todos os processos metabólicos necessitam de hidratação.Para calcular a quantidade energética para cães utiliza-se a fórmula:

NEM = K x P0.67

NEM = necessidade energética,

P = peso vivo do animal em kg,

K = 99 – inativos; 132 – ativos; ou 160 – grande atividade.

Os gatos adultos diferentes dos cães precisam se alimentar diversas vezes ao dia em pequenas quantidades, mantendo sempre um peso ideal. Sua fase adulta ocorre dos 12 meses aos 8 anos de idade. Lembrando que quando castrado deve-se oferecer uma ração apropriada já que sua necessidade energética diminui. É de suma importância o consumo de água de boa procedência para evitar problemas renais em felinos, sendo que estes têm preferência por água corrente, podendo ser utilizadas fontes para induzir o aumento da ingestão hídrica.

Cães e gatos idosos.

Os cães idosos sofreram um reflexo de tudo que consumiram durante sua vida, podendo nessa fase obter problemas ósseo, obesidade ou falta de apetite, à base de obter longevidade e saúde é a nutrição correta, jamais cometer o erro da superalimentação e nem escassez de nutrientes, quando a dieta é equilibrada possibilita melhor qualidade de vida e reduz os problemas metabólicos devido a idade avançada. Por isso, precisam ser avaliados individualmente, pois as necessidades mudam de acordo com o porte ou a raça do animal. Os tutores devem observar alguns fatores que irão melhorar a qualidade de vida desses animais como,consultas, revisões clínicas e nutricionais ao menos duas vezes ao ano, manter uma dieta adequada e balanceada para idosos, valor protéico da dieta, com alta qualidade e mais digestível, regular a quantidade de alimento e energia ingerida, evitar a obesidade e atividade física associada à nutrição.

Os gatos idosos têm exigência dos mesmos nutrientes das suas fases de vida anteriores, porém em quantidades e proporções diferentes, por exemplo a proteína e a energia metabolizável serão em menor quantidade para esta fase, essas ainda devem ser de maior qualidade e digestibilidade. Os gatos idosos apresentam doenças muito comuns nessa fase como a falência renal crônica e o hipertireoidismo, para que esses problemas não ocorram deve-se cuidar bem da higiene bucal do animal e que o mesmo venha a ingerir apenas água de qualidade . Com o envelhecimento gradativo, também perdem a eficiência digestiva, se tratando de felinos ocorre principalmente para proteínas e lipídios. Desta forma recomenda-se aos tutores que continuem o fornecimento normal de alimento com a mesma quantidade, porém específico para esta fase com maior digestibilidade principalmente para proteínas e lipídios.

Referência

ABINPET. (2019). Caderno especial Abinpet-Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação. Agro Analysis, 35(1), 35–40.

Camilo, M., Sakamoto, M. I., & Gomes, M. O. S. (2014). Nutrição de cães em diferentes fases da vida (p. 18 p.). Universidade Camilo Castelo Branco.

Carciofi, A. C. (2008a). Fontes de proteína e carboidratos para cães e gatos. Revista Brasileira de Zootecnia, 37(SPE), 28–41. https://doi.org/10.1590/S1516-35982008001300005.

Carciofi, A. C. (2008b). Manejo nutricional do cão e do gato hospitalizado. In UNESP (Ed.), Apontamentos teóricos das disciplinas de Clínica das Doenças Carenciais, Endócrinas e Metabólicas e de Nutrição e Alimentação de Cães e Gatos. Universsidade de São Paulo.

Carciofi, A. C., & Jeremias, J. T. (2010). Progresso científico sobre nutrição de animais de companhia na primeira década do século XXI. Revista Brasileira de Zootecnia, 39, 35–41.

Cappelli, S., Manica, E., & Hashimoto, J. H. (2015). A importância dos aditivos na alimentação de cães e gatos: Revisão da literatura. PUBVET, 10, 190–270.

Case, L. P., Carey, D. P., & Hirakawa, D. A. (1997). Nutrição canina e felina: manual para profissionais. Harcourt Brace de España.

Faria, P. F., Araújo, D. F., & Soto-Blanco, B. (2005). Glicemia em cães obesos e senis. Acta Scientiae Veterinariae, 33(1), 47–50.

Kelly, R. E. (2012). Feeding the modern dog: An examination of the history of the commercial dog food industry and popular perceptions of canine dietary patterns. Michigan State University.

Lazzarotto, J. J. (2000). Nutrição e alimentação de filhotes de cães. Revista Da FZVA, 7(1), 157–162.

Mathias, C. (2009). Extrusão a história. Revista Pet Brasil, 1(1), 28.

NRC- National Research Council. (2006). Nutrient requirements of dogs and cats. Washington, D.C: National Academy Press

Ogoshi, R. C. S., Reis, J. S., Zangeronimo, M. G., & Saad, F. M. O. B. (2015). Conceitos básicos sobre nutrição e alimentação de cães e gatos. Ciência Animal, 25(1), 64–75.

Pantoja, J. C., Cabral, Í. S., Farias, T. S., Amaral, T. E. S., & Barbosa, C. R. (2018). Alimentação de cães e gatos cardiopatas. PUBVET, 12(11), 1–8.

Rufino, D; Oliveira, E. Manejo nutricional de cães e gatos e as tendências no mercado pet food. Pubvet, 2021. Disponível em : https://doi.org/10.31533/pubvet.v15n02a756.1-11. Acesso em : 19 de março de 2021.

Sá, P. G. S. (2002). Criação e manejo de cães. Fiocruz.

Saad, Flávia Maria Oliveira Borges, & França, J. (2013). Novas alternativas alimentares para cães e gatos:-Alimentos livres de grãos (grain free). Congresso Brasileiro de Zootecnia.

Sá, P. G. S. (2002). Criação e manejo de cães. Fiocruz.

Wortinger, A. (2009). Nutrição para cães e gatos. Editora Record.

Yabiku, R. M. (2005). Animais de estimação: lucros estimados. Revista Cães e Gatos.

Tags: , , ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *