Equinos

O basico que preciso saber sobre a alimentação do meu equino. 

Escrito por: Lucas - Publicado em.: 14.10.2022

Quando livres, os cavalos não têm horários para realização de atividades diárias. Eles dão prioridade para permanecerem em grupo em um lugar seguro e confortável, onde passam a maior parte do tempo se alimentando e esse tempo geralmente ocupa em torno de até 67% do seu dia. Quando o cavalo é mantido em baía, percebe-se que a distribuição do tempo se altera, quando comparado com o que ocorre em vida livre, o tempo gasto com alimentação fica em torno de 17%.

Os nutrientes necessários para todos os cavalos são: água, proteína, carboidratos, gorduras, vitaminas e minerais.O ideal para cavalos é uma dieta totalmente à base de pasto e feno, ou com no mínimo 70% de volumoso, exceto para casos com exigências nutricionais especiais em que esta porcentagem pode diminuir. Ao consumir volumoso, o cavalo passa mais tempo mastigando, o que reduz seu tempo em ócio e promove um desgaste mais adequado dos dentes. Além disso, cavalos secretam ácido gástrico de forma contínua e estudos mostram que consumindo uma maior proporção de volumosos a acidez estomacal diminui, reduzindo o risco de úlceras gástricas. Uma dieta pobre em fibras, pode também desencadear o desenvolvimento de comportamentos anormais, como a ingestão de cama ou fezes, na busca de fontes de fibra necessária para o bom funcionamento do sistema digestório.

O fornecimento de plantas com folhagem inteira (não picada) é indicado para cavalos, principalmente para aqueles mantidos em baias ou piquetes. O fornecimento de folhagens inteiras permite a seleção das melhores partes da planta antes da ingestão, estimula a mastigação e maior produção de saliva. No caso de fornecimento de folhagens picadas, as partículas devem ser maiores que 4 cm. Para animais mantidos em baias recomenda-se disponibilizar volumoso durante toda a noite, em quantidade suficiente para que o animal ocupe seu tempo confinado consumindo fibras.

Quando necessários, os alimentos concentrados devem ser oferecidos sempre de 30 a 60 minutos após o volumoso e, no mínimo, de 40 a 60 minutos antes e depois dos exercícios físicos. O fornecimento de volumoso e concentrado juntos favorece a passagem rápida do concentrado pelo trato gastrintestinal sem que haja sua digestão apropriada, levando ao não aproveitamento desta parte da dieta.

Os cavalos podem apresentar preferência por determinados tipos de forragem, sendo interessante o fornecimento de várias forragens diferentes no pasto, piquetes ou baias, promovendo o enriquecimento alimentar, reduzindo ocorrências de comportamentos anormais e possibilitando selecionar o alimento ingerido, reduzindo seu tempo em ócio. Ademais, o fornecimento de sal mineral à vontade é essencial na complementação da alimentação. O sal mineral repõe os sais perdidos pelo suor, visto que o cavalo tem uma grande quantidade de glândulas sudoríparas. Assim como os sais, muita água é perdida pelo suor e urina. É importante a disponibilização de fonte de água limpa e fresca à vontade, principalmente nos intervalos entre os exercícios físicos. O sal deve ser específico para equinos, pois, o sal mineral indicado para bovinos pode possuir componentes tóxicos para cavalos.

A alimentação do seu equino vai sofrer variação dependendo do peso,de acordo com a fase da vida, tipo de trabalho exercido e estado reprodutivo. A seguir uma tabela de Cálculo alimentar para equinos adultos em trabalho (leve a moderado).

É importante lembrar que não basta fornecer a quantidade certa de nutrientes e energia. O tipo, a forma e a frequência da oferta de alimento são tão fundamentais quanto sua composição e que essas informações não substituem a consulta a um médico veterinário.

Aqui na AgiPec contamos com atendimento medico veterinário para orientação sobre a utilização de rações para equinos.

Referências

ANJOS, 2012.
BIRD, 2004; CINTRA, 2010.
DITTRICH et al., 2010; GOODWIN; DAVIDSON; HARRIS, 2007.
GOODWIN, 2007; DITTRICH et al., 2010.
VIEIRA, 2012.
WEICKERT, 2012.
WILLARD, 1977.
PEREIRA, Denise et al.,2017

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *