Equinos

Podridão de Casco dos Equinos

Escrito por: Lucas - Publicado em.: 14.10.2022

A dermovilite exsudativa vegetante crônica (DEVC) ou pododermatite hipertrófica é uma alteração patológica de caráter crônico que acomete os cascos dos eqüinos. Popularmente conhecida como cancro da ranilha, caracterizada pelo crescimento e por uma secreção úmida na ranilha e em estruturas próximas. Acredita-se que apesar de não ter um agente causador, seja consequência de uma infecção . Essa condição acomete equinos de todas as raças e idades e sua ocorrência é esporádica.

 

Evolução


Na fase inicial desta doença existe uma semelhança com a broca de casco ( pododermatite exsudativa da ranilha-PER). A demora na tomada de medidas terapêuticas eficazes pode permitir o acometimento de estruturas importantes localizadas proximos a lesao, como o tendão flexor digital profundo e a falange distal.

 

Terapia

 

O tratamento dessa condição é dificil e muitas vezes ineficaz. O que vai ditar tratamento mais eficaz vai ser prescrito por um médico veterinário ao observar a gravidade do caso . Esse tratamento vai ter obrigatoriamente três etapas:

1 – limpeza
2 – secagem do casco
3 – debridamento do tecido hipertrófico e aplicação tópica de antibióticos.


A remoção de uma margem significativa de tecido lesado é um passo importante na cura do processo hipertrófico, pois recidivas ocorrem frequentemente quando o tecido acometido não é totalmente removido. O sucesso do tratamento tambem esta relacionado ao tempo da lesão, quanto mais cedo tratar, mais dificil é dessa lesão se espalhar para tecidos proximo.

Embora a podridão de caso em equinos seja uma enfermidade esporadicamente diagnosticada, deve-se considerar sua ocorrência sempre que houver presença de tecido proliferado e odor pútrido na ranilha. O diagnóstico precoce diminui o comprometimento das estruturas nobres do casco e aumenta as chances de recuperação. A adoção de medidas sanitárias, como a manutenção dos animais em locais limpos e secos, parece ser a melhor forma de prevenção do cancro da ranilha. O exame histopatológico de material obtido por meio de biópsia pode ser decisivo no diagnóstico.

 

Referência

ADAMS, O.R. Lameness in horses 3.ed. Philadelphia: Lea & Febiger, 1974. p.345-346.

ADKINS, K. Treating canker in a warmblood. Am. Farriers J, p.68-69, 1996.

HUNT, R.J., KOBLUK, C.N., STECKEL, R.R. Diseases of the foot. In: KOBLUCK, C.N., AMES, T.R., GEOR, R.S. The horse. Diseases and clinical management Philadelphia: Saunders, 1995, p.659-705.

JOHNSON, J.H. The foot. In: MANNSMAN, R.A., McALLISTER, E.S. Equine medicine surgery 3.ed. American Veterinarians Publications, Goleta, 1982. p.1033-1055.

STASHAK, T.S. Claudicaçăo em eqüinos segundo Adams Săo Paulo: Roca, 1987. p.560-561.

STECKEL, R.R. Puncture wounds, abscesses, thrush, and canker. In: ROBINSON, N.E. Current therapy in equine medicine, 2.ed. Philadelphia: Saunders, 1987. p.266-272.

TURNER, T.A. Treatment of equine canker. Annual Convention of American Association of Equine Practitioners, 34. Proceedings, p.307-310, 1989.

WILSON, D.G., CALDERWOOD MAYS, M.B., COLAHAN, P.T. Treatment of canker in horses. J. Am. Vet. Med. Assoc, v.194, p.1721-1723, 1989.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *